Re:Zero Kara Hajimeru Isekai Seikatsu – Episódio 14 (REVIEW)

Prosseguindo com a review semanal do anime com um episódio de transição bem emblemático, cheio de coisas novas ao mesmo tempo que revemos coisas já utilizadas. Foi bizarro, triste e emocionante, no modo geral esse episódio foi um pouco do que faz a obra girar (além das waifus, claro).

Deixe o seu comentário e até semana que vêm!

 

  • Igor Goes Oliveira

    Vai ser difícil da meu feedback só pelo ep 14 já que eu vi o 15 e msm depois de 1 hora ainda estou tremendo de arrepio, não preciso nem dizer que isso é um sentimento muito raro para mim. Falando só do ep 14, mais e mais atitudes babacas do Subaru, eu não esperava menos dele, do jeito que ele é poderia ser até pior, as atitudes deles foram muito orgânicas por assim dizer, msm deturpado psicologicamente, ainda dava para entender que as ações dele estavam seguindo a sua mentalidade(só no ponto de vista dele as atitudes funcionam). O choque que ele sentiu quando ele viu as pessoas da vila mortas e as irmãos gêmeas, a expressão facial dele, toda a ambientação, sinceramente que fenomenal, msm estando como um espectador, eu senti a dor dele(e ainda estou sentindo, sou um aspirante a kiznaiver), a carga emocional foi tão imensa que eu ainda me sinto sem o chão, ainda não consegui absolver perfeitamente o episódio, e assistindo o 15 logo em sequencia, cara eu senti uma leve pontada da insanidade dele. Talvez semana que vem eu consiga falar do ep 15 em aspectos mais técnicos, mas por hoje, ainda estou meio que quebrado, reflexivo e psicologicamente abalado, não em um âmbito negativo, só que poucos animes me trazem esse sentimento, e quando ele bate é algo tão estranho para mim que faço o possível para preservar(por isso estou ouvindo 2º musica, da trilha sonora do 5º filme de kara no kyokai), não sei você Pedro, mas existem sentimentos que parecem ser indescritíveis, deve ser por isso que eu sou fascinado pelo ser humano e a sua capacidade de quebrar o seu próprio método de linguagem, já que não existe palavra que defina o indescritível, o singular, o individual, talvez hoje eu possa criar a minha própria palavra, para tentar definir esse algo e sair desse paradoxo… Abraços, e semana que vem tem critica, hj só tem sentimentalismo e delírios de alguém desequilibrado mentalmente!